Tag Archives: Internet

Os desafios da comunicação no Terceiro Setor

4 out

As organizações do Terceiro Setor têm ganhado cada vez mais destaque na sociedade e espaço na mídia. Entretanto, têm seu poder de ação e de mobilização limitados pela falta de uma estrutura de comunicação profissionalizada.

Este cenário começa a mudar, porque algumas entidades já perceberam a necessidade da implantação de uma comunicação estratégica para estabelecerem relações com seus diversos públicos, ganharem credibilidade e poderem se tornar mais atuantes junto à sociedade. Do mesmo modo, crescem as discussões de que o Terceiro Setor é um mercado promissor para os profissionais de comunicação. O problema é saber se este profissional está preparado para esse nicho e quais são os desafios enfrentados por ele.

Perfil do profissional

Os profissionais de comunicação que trabalham nessas organizações enfrentam a falta de recursos financeiros para o desenvolvimento de projetos de comunicação e a falta de uma formação humanística que o permita entender o outro. Com isso, é preciso que o comunicador seja aberto ao diálogo e use a criatividade, faça experimentações, tenha motivação e um olhar atento para perceber tendências, demandas e desenvolver um bom trabalho na organização para a qual trabalha.

Com o desenvolvimento do Terceiro Setor, percebe-se a necessidade de uma comunicação eficaz, pois esta é importante e garante a divulgação da organização e do trabalho realizado por ela, consolida uma imagem junto à comunidade e cria um relacionamento com seus diferentes públicos. Além disso, no caso das organizações não-governamentais (ONGs) é uma forma de mobilizar as pessoas para participarem de uma causa, bem como prestar contas de suas atividades, demonstrando transparência e ética.

Comunicação mobilizadora

O envolvimento das pessoas que trabalham nas ONGs é muito importante para a construção da identidade corporativa e de uma imagem. Afinal, uma imagem bem trabalhada e difundida, pode atrair mais parcerias, voluntários, doações e, é claro, credibilidade. Mas para isso, é preciso se voltar para o público interno da instituição, perceber como esta é vista por seus funcionários e voluntários e desenvolver um trabalho de conscientização junto a eles. Além da mobilização interna, é preciso se levar em conta a relação com o público beneficiado, doadores e parceiros da instituição para reforçar o vínculo e proporcionar a continuidade das ações da ONG.

O próximo passo seria estabelecer uma relação profissional com a mídia, gerando interesse público e atendendo aos veículos, de acordo com suas características e prazos (imprensa, rádio, TV, Internet).  Esse relacionamento criado pelo comunicador pode fazer da ONG uma constante fonte em sua área de atuação.

Outro ponto importante é o uso da Internet, permitindo às organizações formular estratégias, trocar experiências e lutar por mudanças sociais concretas. Por isso, uma eficiente ferramenta é construção de um site da organização, que deve ser mantido constantemente atualizado com notícias e que contenha o histórico da instituição, sua missão e valores, parceiros e prestações de contas e não se esquecer das mídias sociais que estão em alta e podem ser um excelente canal para estreitar relações, mobilizar o público e conseguir financiamento para a causa.

Há sempre diferentes maneiras de se pensar e fazer comunicação, mas o profissional deve analisar o ambiente em que se encontra, sentir as tendências e tentar novas ferramentas ou ações de comunicação, pois não há uma única forma estabelecida para a comunicação no Terceiro Setor.

Este artigo foi publicado primeiramente no Portal Comunifoco, onde sou colunista.
Anúncios

Números das mídias sociais em 2011

26 set

O Search Engine Journal publicou em agosto um infográfico com o números do crescimento das mídias sociais em 2011. A comunidade lança as estatísticas anualmente em seu site e traz números globais.

O estudo estudo é interessante e serve para o planejamento de mídias sociais e para o gerenciamento de reputação para empresas.
Vale a pena dar uma olhada. Se você não conseguir visualizar, veja aqui.

The Growth of Social Media: An Infographic
Source: The Growth of Social Media: An Infographic

Como usar o LinkedIn para atrair olhares para sua empresa

2 set

Muitas empresas usam o Twitter e o Facebook para entrar em contato com o público e divulgar informação. Mas que tal usar a rede profissional LinkedIn para aumentar o network da empresa, atrair novos talentos e investimentos e se tornar referência no seu ramo de negócio?

O blog americano HubSpot publicou um e-book gratuito sobre “Como gerar liderança usando o LinkedIn” e achei interessante compartilhar algumas dicas que eles sugerem.

1. Participar do “LinkedIn respostas” – Esta  é uma das ferramentas mais úteis e menos utilizadas do LinkedIn. Nela, o usuário pode fazer perguntas sobre temas variados ou sobre uma área específica como tecnologia, sustentabilidade, operações empresariais, desenvolvimento de carreira, entre outras. É interessante que a empresa responda perguntas relacionadas ao seu segmento de mercado para ser vista como uma referência na área. Além disso, é uma forma de fornecer informação útil e atrair pessoas para o seu próprio site ou blog.

2. Adicionar aplicativos do LinkedIn – Uma forma de deixar a página do LinkedIn mais interessante é adicionar aplicativos que tornem a visita à página mais rica, como portfólio e apresentações da empresa, calendário de eventos, tweets ou blog link para manter seus contatos sempre informados.

3. Conduzir busca de pessoas – Esta ferramenta do LinkedIn permite buscar pessoas que estejam procurando emprego ou achar pessoas/empresas que estejam buscando parcerias em negócios e mesmo estender a relação entre empresas. Pode ser uma boa opção para “caçar” novos talentos e aumentar o network da organização.

4. Experimentar o LinkedIn Direct Ads – Todos os usuários podem ter acesso ao serviço pago. O serviço de publicidade é interessante para divulgar seu negócio e é totalmente personalizado. A empresa pode usar para divulgar a marca ou uma campanha e mesmo resultados de um projeto, por exemplo. Basta criar um texto atraente e definir quanto vai pagar por cada clique e o serviço pode ser interrompido quando desejar.

5. Criar fluxo para o LinkedIn – A empresa pode usar o perfil no LinkedIn para divulgar seus projetos e serviços, procurar talentos e oferecer vagas e também estimular a participação dos funcionários na página para gerar movimentação na página e conseguir novos seguidores.

As mídias sociais trazem muitas possibilidades às empresas que precisam descobri-las e pensar no planejamento para usá-las. As dicas dadas aqui servem também para os profissionais que querem se tornar referências em suas áreas de atuação.

Para mais informações, acesse o link do blog para baixar o livro digital “How to Generate Leads Using LinkedIn”

Reputação sólida como recurso estratégico

30 ago

O recente caso da Zara me fez refletir sobre a importância de se adotar um planejamento que vise o desenvolvimento de uma reputação sólida como recurso estratégico para a empresa. As denúncias sobre as suspeitas de trabalho escravo na produção de roupas para a marca Zara circularam pela Internet e pelas mídias sociais. Vi muitas declarações do gênero: – Nunca mais compro na Zara!

Porém, a repercussão do caso foi menor do que o esperado e não circulou por tanto tempo na Internet, apesar de causar danos à marca. E o porquê disso? Porque a Zara tem boa reputação, construída ao longo de anos junto aos seus públicos. Com isso, antes de condenar, o consumidor decide dar uma segunda chance à empresa.

Assim, percebe-se a importância da construção de uma reputação sólida. Mas como ela é criada? Segundo Paul Argenti¹, uma reputação sólida é criada quando a identidade de uma empresa e sua imagem estão alinhadas. Isso significa que a reputação deve ser pensada estrategicamente, pois é construída ao longo dos anos e deve ser sustentada e defendida através de ações que formem uma identidade única e projetem uma imagem coerente e consistente para o público, já que a reputação está baseada na percepção de todos os públicos da empresa.

E qual o interesse em se ter uma reputação sólida? Uma boa reputação tem implicações estratégicas para uma empresa, porque chama atenção para as características e valores positivos da empresa, aumentando o vínculo com o público interno e externo e atraindo novos investimentos. Além de poder atrair e reter os maiores talentos e ter consumidores mais fiéis à marca.

As constantes mudanças no ambiente de negócios e a rápida circulação de informações na Internet e nas mídias sociais demanda uma maior transparência e ética, exigindo que as empresas pensem na construção e manutenção de reputações mais sólidas. E para conhecer a sua reputação, a empresa deve analisar sua identidade e imagem e fazer pesquisa junto aos diferentes públicos.

Portanto, é imperativo que os gestores fiquem atentos às mudanças do mercado e pensem no planejamento estratégico de forma a integrar as áreas da empresa e que seja coerente com a identidade, valores e práticas da marca.

1. Argenti, Paul. Comunicação Empresarial: a construção da identidade, imagem e reputação. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

Mídia ou rede social?

8 ago

Alguns usam o termo mídia social, outros rede social para designar as plataformas de comunicação pessoal e profissional. Os dois conceitos são amplamente usados sem diferenciação. Mas qual é o certo e o que querem dizer?

O termo mídia social refere-se à produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o controle de um grupo editorial, ou seja, é a produção de muitos para muitos e não de um para muitos. Essas plataformas permitem  a interação social a partir do compartilhamento e da criação colaborativa de informação em fotos, textos, vídeos e áudios.

Uma das principais características das mídias sociais é a necessidade da interação e da troca de conteúdo entre as pessoas, porque as mídias sociais implicam em “ser social”.

São exemplos de aplicações de mídia social: blogs (publicações editoriais independentes), Google Groups (referências, redes sociais), Wikipédia (referência), MySpace (rede social), Facebook (rede social), Last.fm (rede social e compartilhamento de música), YouTube (rede social e compartilhamento de vídeo), Second Life (realidade virtual), Flickr (rede social e compartilhamento de fotos), Twitter (rede social e microblogging) e inúmeros outros serviços.

Ok, mas e as redes sociais? Uma rede social é uma estrutura composta por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. Uma das características fundamentais na definição das redes é a sua abertura e porosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e não hierárquicos entre os participantes.

Diferentemente das mídias sociais, a conexão e a formação de uma rede dá-se pela identidade, através da partilha de expectativas, experiências e valores, em prol de um objetivo comum. Elas podem operar em diferentes níveis  como, por exemplo, redes de relacionamentos (facebook, orkut, myspace, twitter), redes profissionais (LinkedIn), redes comunitárias (redes sociais em bairros ou cidades), redes políticas, dentre outras.

Assim, podemos concluir que as mídias sociais são também redes sociais e desta forma, pode-se usar um ou outro termo ao referir-se às plataformas de comunicação na Internet.

Social Media Week

3 ago

O Social Media Week está confirmado no Rio de Janeiro entre os dias 19 e 23 de setembro.

O Social Media Week é o maior evento de mídias sociais do mundo, ocorrendo simultaneamente em várias cidades como São Paulo, Beirute, Buenos Aires, Chicago, Milão, entre outras.

Os interessados podem entrar em contato com a produção do evento para participar de várias formas, seja como voluntário, palestrante, patrocinador, etc. Veja aqui: http://socialmediaweek.org/saopaulo/participe/

Ainda não há programação, mas vou ficar atenta e logo posto aqui.

Conectividade das mídias sociais

1 ago

Hoje é difícil separar a mídia on-line da mídia tradicional, porque tudo está interligado.

Um post no Twitter com uma declaração forte ou com uma informação nova espalha-se rapidamente pela Internet e logo é “retweetado”, publicado em um jornal ou mesmo, transmitido por uma rádio. Outras vezes, um vídeo vira “hit” no Youtube e logo já está sendo postado no Facebook ou mostrado em um programa de TV.

Com isso, aparecem crises, boatos e novos talentos. Por isso, a importância de conhecer bem essas mídias sociais e usá-las a nosso favor, seja na vida pessoal ou profissional.