Imagem

Digital Marketing: 3 great tips for 2016

21 dez

As a CMO, you know that Digital Marketing is becoming more and more relevant for your company and according to The CMO Survey, investments in this area will grow 14,7% in 2016. As a participant in the Coursera and Northwestern social marketing program as well as having three years experience in this. I have found two articles highlighting the trend topics for digital marketing for the next year that are important for you to know.

The first article is a report titled “The CMO Survey – February 2015”, published by professor Christine Moorman from Duke University and conducted with 288 CMOs. It exposes some trends of Marketing for years to come like the fact that business investment in Digital Marketing will increase 14.7% next year. It also shows that by 2018, the budget for mobile advertising that currently covers 3.2% of the marketing budget will triple and the spent with marketing analytics will double to 11,7%. By 2020 : services related to social networks like Facebook Marketing, for example, will increase from 22.4 % in investments.

The second article titled “16 trends of digital marketing in 2016” and written by Rodrigo Souto lists some important trends of marketing for the next year. For Souto, relevant content (visual and textual) is at the top of the list, followed by a more personalized digital experience. In the third place, he brings the use of integrated marketing platforms to automate marketing teams’ strategies. It means that the user must be in the center of any marketing strategy by using the database collected from different media.

Based on these two articles and my experience in digital marketing, I have listed three actions that I would recommend to companies who wants to increase revenues or to engage people in 2016:

  • Relevant content – Create relevant content for your audience using interesting text, simple graphics and invest in video content to engage and to sell.
  • Mobile first – An increasing use of mobile devices by consumers who buy, play and get informed by such means exposes that is important to develop specific content for mobile
  • Marketing Analytics – The integrated inbound marketing software will enable marketing teams to make a complete tracking every user interaction with the media companies and plan more assertive marketing strategies.

This year is almost at the end, but your company still can think in a digital marketing strategy for 2016 that aims to engage users and sell more products.

 

leticia2015My name is Leticia Paiva and I am currently having class in the Coursera platform and Northwestern social marketing program. I have a masters degree in Communication and new media from The University of Provence and I work with brand and digital marketing strategies for B2W Digital.

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/leticiacarpanezdepaiva/en

Anúncios

Social Media Week 2012

10 fev

Social Media Week 2012Vem aí mais uma edição do  Social Media Week (SMW) que acontece entre os dias 13 e 17 de fevereiro em várias cidades do mundo.  O Social Media Week é um evento global realizado simultaneamente em 21 países e focado em refletir sobre como as mídias sociais estão impactando e mudando governos, corporações e a sociedade como conhecemos. O objetivo do evento em 2012 é discutir o impacto comportamental e mercadológico dessas mudanças.

No Brasil, as palestras serão realizadas até o dia 16/02 das 15 às 22h no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo. O evento é gratuito mas, para garantir o seu lugar, é necessário fazer uma inscrição. Para quem não puder ir até lá, será possível acompanhar os principais momentos na web, já que muitas palestras serão transmitidas online no site do SMW.

Veja a programação aqui.

Social Media Week
Local: Museu da Imagem e do Som (MIS)
Endereço: Av. Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo/SP
Telefone: (11) 2117 4777
Datas e horários: 13 a 16 de fevereiro de 2012, das 15 às 22 horas
Entrada gratuita
Site oficial

Uso das mídias sociais nas empresas cresce 300%

26 jan

Uso das mídias sociais nas empresas cresce 300%Um estudo divulgado em janeiro pela Palo Alto Networks, empresa de segurança de redes, mostrou um crescimento altissímo do uso dos sites de relacionamento no ambiente de trabalho que registrou aumento de 300% no uso das mídias sociais no segundo semestre de 2011, em comparação com o mesmo período em 2010.

O aumento mais expressivo no ambiente corporativo ficou por conta do Twitter que cresceu cerca de 700% de uma ano para ou outro. O que também aumentou foi o compartilhamento de arquivos via navegador, representando 92% das empresas participantes da pesquisa.

O relatório da Palo Alto Networks também explora os riscos associados aos aplicativos de compartilhamento baseado nos navegadores. Esses aplicativos de compartilhamento usam técnicas evasivas que evitam os métodos de detecção. Isso quer dizer que muitas vezes são usados sem serem identificados, representando um risco para os sistemas corporativos.

Com isso, liberar o uso das mídias sociais nas empresas deixou de ser a principal questão do mundo corporativo. O foco dos gestores agora deve ser outro: como as empresas podem disponibilizar essas tecnologias, de modo que mantenha a produtividade e ao mesmo tempo, deixe a empresa e os colaboradores protegidos contra ameaças virtuais.

O relatório de usos e riscos de aplicativos foi baseado no estudo do tráfego das redes empresariais de mais de 1600 corporações entre abril e novembro de 2011. Mais informações no site da Palo Alto.

106 e-books gratuitos sobre comunicação, mídias sociais e web

5 jan

106 e-books gratuitos sobre comunicação, mídias sociais e web2012 chegou com tudo. Que tal começar o ano colocando a leitura em dia?

O Blog Mídia8! fez uma seleção de e-books gratuitos sobre comunicação, mídias sociais e web. E o melhor: totalmente grátis!

Confira abaixo os livros em português, inglês e espanhol.

Português:

01. Como escrever para a web (Guillermo Franco)
02. O que é o virtual? (Pierre Lévy)
04. Web 2.0: erros e acertos (Paulo Siqueira)
05. Para entender a internet (org. Juliano Spyer)
06. Redes sociais na internet (Raquel Recuero)
07. Televisão e realidade (Itania Gomes)
08. Autor e autoria no cinema e televisão (José Francisco Serafim)
09. Comunicação e mobilidade (André Lemos)
11. Conceitos de comunicação política (org. João Carlos Correia)
13. Informação e persuasão na web (org. Paulo Serra e João Canavilhas)
14. Teoria e crítica do discurso noticioso (João Carlos Correia)
17. O marketing depois de amanhã (Ricardo Cavallini)
19. Grandes Marcas Grandes Negócios (José R. Martins)
20. Relações Públicas digitais (org. Marcello Chamusca e Márcia Carvalhal)
21. Ferramentas digitais para jornalistas (Sandra Crucianelli)
30. Retória e mediação II (orgs. Ivone Ferreira e María Cervantes)
32. Comunicação e estranheza (Suzana Morais)
34. Manual da teoria da comunicação (Joaquim Paulo Serra)
35. Estética do digital: cinema e tecnologia (orgs. Manuela Penafria e Mara Martins)
36. Jornalismo digital e terceira geração (org. Suzana Barbosa)
37. Comunicação e ética (Anabela Gradim)
40. Teorias da comunicação (orgs. José Manual Santos e João Correia)
41. Comunicação e poder (org. João Correia)
42. Comunicação e política (org. João Correia)
43. Manual de jornalismo (Anabela Gradim)
44. A informação como utopia (Joaquim Paulo Serra)
45. Jornalismo e espaço público (João Correia)
50. Campos da comunicação (orgs. Antônio Fidalgo e Paulo Serra)
52. Onipresente (Ricardo Cavallini)

Inglês:

01. The new rules os viral marketing (David Meerman Scott)
02. Podcast marketing ebook (Christopher Penn)
03. Social web analytics (Social Web Analytics)
04. Masters of marketing (Starup Internet Marketing)
05. Get viral ger visitors (Stacie MAhoe)
07. The zen of blogging (Hunter Nutall)
08. A primer in social media (Smash Lab)
09. SEO for WordPress blogs (Blizzard Internet)
11. The word of mouth manual – vol. II (Dave Balter)
13. Social media: your organisation and web 2.0 (Trevor Cook e Lee Hopkins)
15. The impact of digital on journalism in Latin America (Guillermo Franco)
16. What matters now (Seth Godin)
17. Red kayaks and hidden gold: citizen journalism (John Kelly)
18. Science and the media (Donald Kennedy e Overholser Ginebra)
19. New media makers (Jan Schaffer´s)

Espanhol:

02. Marketing e comunicación (José Sixto García)
04. Herramientas digitales para periodistas (Sandra Crucianelli)

07. El impacto de las tec. digitales en el periodismo en AL (Guillemro Franco)
08. Inteligencia colectiva (Pierre Lévy)
09. Predicciones para los Social Media 2010 (Marc Cortés)
10. Geekonomía (Hugo Pardo)
11. Manual de periodismo independiente (Deborah Potter)
12. La revolución de la prensa digital (Cuadernos de Comunicación Evoca)
13. Dictadura del diseño (Carlos Carpintero)
14. Quiénes son los YouTubers? (Estudio de usuarios)
15. Comunidades online 2009 (Miguel Cornejo)
16. El modelo de la nueva agencia (diversos autores)
17. Web 2.0 (Antonio Fumero)
18. Más allá de Google (Jorge Juan Fernández)
19. Necesidades de formación para medios digitales(Guillermo Franco)
20. Crónicas argentinas (Juan Pablo Menezes)
21. Nosotros, el medio (Chris Willis e Shayne Bowman)
22. Cómo escribir para la web (Guillermo Franco)
23. Claves del nuevo marketing 2.0 (diversos autores)
24. Lan gran guía de los blogs (Francisco Polo)
25. Periodismo 2.0 (Mark Briggs)
26. Valores y criterios de la BBC (BBC)
27. Glosario básico de internet (Rafael Fernández Calvo)
28. Branding corporativo (Paul Capriotti Peri)
29. Los desafíos del periodismo (Media Matters)
30. 100 BM digital tips (Burson-Marsteller)
31. Comunicación local y nuevos formatos periodísticos en internet
32. La sociedad de control (Jose Alcántara)
33. Publicidad 2.0(Paúl Been)
34. Software libre (Jordi Hernàndez)
35. Movilidad en la Pyme (José Colvée)

O mundo das mídias sociais

2 dez

Em 2011, muito se falou sobre as mídias sociais e sobre a importância delas para o relacionamento com o público. Com o ano chegando ao fim, é comum aparecerem as retrospectivas sobre os principais números. A videoinfographs fez um vídeo que resume bem os números das maiores redes sociais como Facebook, Twitter, LinkedIn, Youtube, Flicker, entre outras.

O vídeo traz alguns dados interessantes como o fato de o Facebook ter ultrapassado o Google como site mais visitado do mundo e que a cada minuto, são postados 510 mil novos comentários na rede. Já sobre o Twitter, são postados em média 1736 tweets por segundo e a maioria das mensagens não ultrapassa 40 caracteres.

Os dados revelam que as empresas não podem mais ignorar ou subestimar o papel das mídias sociais no planejamento de ações de mídia e relacionamento com o público. Confira abaixo o vídeo “The world of social media 2011”.

Medindo retorno nas mídias sociais

3 nov

Medir o retorno das ações de comunicação é prática comum para avaliar se as ações praticadas estão indo no caminho certo. Com o desenvolvimento da Internet, a mensuração de resultados nas mídias sociais também se tornou necessária, mas ainda é uma tarefa difícil, já que os parâmetros usados não privilegiam todos os aspectos dessas plataformas, como a interação entre os usuários.

Atualmente, existem algumas formas de medir esse avanço, principalmente com dados quantitativos, através do número de pessoas que acompanham o perfil da empresa e do número de mensagens de feedback. No caso do Facebook, podemos ver quantas pessoas curtem a página e as publicações e quantos comentários fazem. A rede social traz algumas estatísticas colhidas durante o período que determinarmos. Já para contas no Twitter, é possível identificar o número de seguidores da sua empresa, a quantidade de menções e de retweets, mas tudo deve ser feito manualmente, já que o Twitter não fornece estatísticas. Essa contagem também pode ser feita através de sites como Tweet Stats ou Twitter Counter. O Tweet Stats traz a média de tweets por mês, a densidade de tweets por hora de publicação, além do ranking de perfis “retuitados” pela empresa, para quem ela mais respondeu, entre outros itens interessantes.

Porém, além desses indicativos quantitativos, existem outros índices para medir a influência e o impacto do perfil através de ferramentas como o Klout que pode ser usado para contas do Twitter e outras mídias sociais. Ele é útil para ver o engajamento das pessoas, a velocidade de disseminação da mensagem e o alcance dos seus tweets.

  • Engajamento: o quanto diverso é o grupo que “responde” para uma determinada marca? A marca apenas faz “broadcast” ou participa do diálogo?
  • Velocidade: o quanto uma marca é “retuitada”? São várias pessoas que “retuitam” os posts ou sempre são as mesmas pessoas?
  • Alcance: os “tweets” são informativos o suficiente para se construir uma audiência? O quanto distante o conteúdo gerado espalha pelo Twitter?

Existem ainda outras ferramentas que podem ajudar a medir o retorno das mídias sociais, mas não há um padrão a ser usado. Cabe ao profissional de comunicação pesquisar e alinhar as ferramentas ao planejamento de comunicação da empresa. O mais importante é saber definir uma estratégia certa para os objetivos da organização e estabelecer um diálogo relevante com o público.

Mídias sociais e ONGs

24 out

Atualmente, temos falado do uso do poder das mídias sociais como canais de comunicação, promoção e de fidelização de público para as empresas. As redes sociais na Internet são semelhantes a nossa estrutura social física. Essas redes são compostas por pessoas e organizações que se agrupam por interesses afins, divulgando seus valores, ideias e produtos ou serviços e permitindo a interação das mesmas, através do compartilhamento de textos, fotos, vídeos entre outras informações.

Estas plataformas podem ser bem exploradas pelas organizações não-governamentais (ONGs) como forma de comunicar, captar recursos e atrair pessoas sem ter que investir financeiramente em mídia tradicional.

Mas para isso, é preciso planejar! Não adianta a ONG querer criar perfis em várias mídias sociais e achar que o resto acontece sozinho. O primeiro passo é analisar quais os objetivos da organização – se captar recursos, atrair voluntários, divulgar a causa ou todos, para decidir em quais redes ingressar. Mas é certo que as mais populares são o Twitter, o Facebook e também o Orkut que ainda faz muito sucesso por aqui. Se tiver a possibilidade, a organização pode colocar seus vídeos no Youtube ou Vimeo.

Decidido os pontos acima, o passo seguinte é começar o trabalho de colocar informações e mensagens nos perfis para alcançar os objetivos. Mas não deixe de acompanhar o que está acontecendo nem deixe de responder ao público. O importante é mesmo manter vivo o perfil. Para completar e deixar o perfil da ONG mais atrativo, é interessante publicar artigos de blogs e sites relacionados à causa.

Algumas organizações sabem aproveitar a onda das mídias sociais, entre elas o portal Eusouvoluntário e a AssociaçãoSaúdeCriança que são atuantes em seus perfis.

Dicas para planejar a comunicação

No artigo publicado no site Sociedade Semear, Marcio Zeppelini fala sobre NovasoportunidadesparaONGs e dá algumas dicas para uma ONG que queira entrar nas redes sociais:

1- Dedicar parte do tempo para monitoramento de temas relevantes de discussão em outros blogs e redes sociais, como forma de incrementar o conteúdo do perfil;

2- Providenciar ferramentas estratégicas para engajamento;

3- Criar um meio para construir relacionamentos com stakeholders e comunidade;

4- Promover a rede de contatos e arrecadação de fundos;

5- Facilitar a realização de campanhas de longo alcance e, em alguns casos, de iniciativas focadas;

6- Permitir a difusão em larga escala e a baixo custo, de modo a permitir e incentivar a sua replicabilidade;

7- Alcançar as novas gerações (X e Y) e buscar envolvê-las;

8- Prestar contas e informações adicionais de maneira clara e transparente.

As mídias sociais dão várias possibilidades de uso e têm a vantagem de estarem ao alcance de todos. Este pode ser o “empurrão” que a sua ONG precisa para divulgar o trabalho que realiza e conseguir recursos e voluntários para a causa que defende.

Eeste artigo foi originalmente publicado no Portal Comunifoco, onde sou colunista.